Separação

Amor Após o Divórcio/Dicas Eucontigo

💡 5 coisas que aprendi sobre o amor depois do meu divórcio

Eu viajei por uma estrada difícil durante os meus 30 e poucos anos. Eu nunca pensei que me divorciaria aos 32 anos. Mas quando me vi confrontada com uma parceria insalubre ou fazendo uma pausa limpa, percebi que só tinha uma opção.

Eu me senti horrível depois. Então, naturalmente, mergulhei em outro relacionamento para aliviar a dor, mas essa relação também não era saudável. Por quatro anos, nós terminamos e voltamos – repetidas vezes.

Meu coração se partiu em mil pedaços. Mas eu deixei a abertura me transformar. Descobri que o sofrimento pode ser um poderoso agente de crescimento e desenvolvimento pessoal. E eu cheguei a quase 40 pessoas mais sábias, mais compassivas, mais fundamentadas e mais felizes.

Aqui estão algumas das lições que aprendi durante esse tempo e são lições que podem ajudar você a ter amor e felicidade.

1. Abrace o medo de qualquer maneira que puder.

Aos 20 anos, meu maior medo era ser divorciado e não ter filhos, aos 35 anos. Eu sentia pena das mulheres naquela posição que queriam ter famílias. Eu podia sentir o suor frio de seu desespero.

Então aconteceu comigo.

Eu estava apavorada. Por um tempo, eu carreguei aquele cheiro de pânico comigo. Eu me preocupava que eu acabasse com uma dama louca e gata, sozinha e desequilibrada.

Então eu entrei direto no meu medo. Eu revirei a minha história e escolhi ver a minha liberdade como um presente em vez de uma maldição. Fiz treinamento de professores de ioga, tornei-me um coach de vida, mergulhei mais fundo na minha escrita e aprendi a surfar. Viajei para a Costa Rica – onde, por acaso, conheci o amor da minha vida e futuro marido.

Descobri que me jogar de cabeça nas ondas do meu medo não era a pior coisa que poderia acontecer comigo – era o melhor. Ensinou-me que a maioria dos meus medos eram projeções irracionais do que poderia acontecer no futuro. A realidade do meu presente foi preenchida com amigos e familiares amorosos e oportunidades excitantes.

2. Faça da solidão um dos seus amigos.

Eu costumava ficar instável com o pensamento de passar o tempo sozinho, especialmente sem distrações. Então eu enfrentei esse medo indo para o meu primeiro retiro de meditação Vipassana silencioso de dez dias (depois meu segundo, depois um terceiro …).

Este foi o melhor trabalho autônomo que já fiz para mim mesmo. Sério, acho que consegui mais ficando sentado em uma almofada de meditação do que em vários anos de terapia.

Acalmei a conversa do meu cérebro de macaco. Entrei em contato com o meu eu superior, que me disse que tudo estava bem exatamente como estava. Eu aprendi a aceitar as coisas como elas são.

3. Levante-se e aceite a responsabilidade.

Eu poderia ter culpado meu divórcio pelo meu ex-marido. Claro, ele tinha algumas ideias bem ridículas sobre como nosso casamento deveria ser. Mas que bom analisar suas falhas me fazer? Estou preso comigo pelo resto da minha vida!

Através de psicoterapia, livros espirituais e auto-análise, eu assumi a responsabilidade pelo papel que desempenhava no fracasso do meu casamento. Reconheci minha ingenuidade, minha disposição em comprometer meus valores e minha tendência a ser crítico. Essas eram qualidades que eu poderia mudar em mim mesma e me ajudar a me tornar uma pessoa mais equilibrada e autoconsciente.

4. Encontre novas maneiras de amar a si mesmo, sem depender dos outros.

É um clichê, mas a felicidade começa e termina quando você se ama. Eu encontrei meu verdadeiro amor no momento em que parei de procurar por alguém para preencher o buraco em minha alma, no momento em que percebi que eu era mais que suficiente.

Aqueles anos solteiros estavam tentando. Mas eu saí com um profundo senso de meu próprio valor. Eu estava tão longe da desesperada mulher em pânico que imaginei que poderia estar. Eu estava orgulhoso. Eu abracei a aventura. E eu tinha fé que a vida estava me levando precisamente na jornada que eu precisava ter.

5. Não se contente com menos.

Naqueles anos tumultuosos com meu namorado descompromissado, meu cérebro se torcia em pretzels para justificar nosso relacionamento. Eu queria estar com alguém que explodia com entusiasmo por mim. Em vez disso, estabeleci um homem cheio de ambivalência. Eu disse a mim mesmo que isso era o melhor que eu poderia fazer na minha idade.

Bem, um dia não foi o suficiente. Eu terminei o passeio de gangorra. Eu queria mais. Eu mereci mais.

Não menos de duas semanas depois, o belo surfista que conheci na Costa Rica, três anos antes, ligou para dizer que era solteiro. Meu coração explodiu. Nós mergulhamos no relacionamento mais feliz e gratificante da minha vida. Eu sou totalmente adorada e adoro-o totalmente. Estou tão feliz por não ter comprometido. Sou eternamente grato que meu eu superior soubesse manter a fé.

Posto enviado pela leitora: Ana Furtado Veras/SP

Etiquetas

Marcos Paulo Vilela

Nós do blog Eucontigo blog entendemos que para uma relação ser de qualidade e a longo prazo precisa de uma boa dose de amor e fidelidade mas acima de TUDO maturidade de ambos, nossa missão é promover um conteúdo que possa satisfazer os dois lado da laranja, um sentimento verdadeiro merece compreensão...

Artigos relacionados

Comentários no Facebook

Botão Voltar ao topo